Avançar para o conteúdo principal

Treinar em casa, take 2

    Olá a todos,

    Quando se fala em exercício físico, o objectivo de muita gente passa por perder aquela gordurinha que teima em acumular-se na barriga como se o nosso corpo se estivesse a preparar para a colonização de Marte sem comida.

    O pior de tudo é que se não fizermos nada, vamos continuando a armazenar porque é isso que o nosso corpo está programado para fazer: armazenar quando há abundância para utilizar se um dia não houver.

    Como podemos então contrariar este software genético que não pode ser alterado como se fosse um programa de computador?

    Já ouviram dizer que resultados são cerca de 40% treino e 60% alimentação? É bem verdade embora cada um, com um bom autoconhecimento, possa fazer a sua própria gestão de modo a equilibrar a balança. No meu caso, acho que é mais 85% treino e 15% alimentação porque, como já disse num post anterior, adoro comer. No entanto, para além de ter uma boas genética, quase não como açúcar e já treino há algum tempo, o que torna o meu metabolismo mais rápido (na verdade sou daquelas pessoas que come muito e não engorda, mas mesmo assim, para ter resultados é preciso ter cuidados).

    Então, esqueçam mesmo aquela ideia de que fazer os tradicionais abdominais faz perder gordura na barriga porque não faz. Na verdade, perder gordura localizada tem que começar por aquilo que comemos e também por fazer exercícios que aumentem a nossa frequência cardíaca como correr ou caminhar a um bom ritmo, nadar, jogar futebol, fugir de um enxame de abelhas ou de um cão raivoso, fazer bebés ou, ainda mais eficaz, fazer treino intervalado de alta intensidade, conhecido como HIIT em que se vai alternando períodos de exercício intenso com períodos de descanso.

    Mas, na prática, os exercícios específicos para os abdominais são muito importantes e o treino do core (abdominais profundos que são responsáveis por suportar a coluna e manter a nossa boa postura) acaba por nos ajudar a melhorar a postura, aliviar dores nas costas e melhorar o nosso desempenho nos restantes exercícios que façamos ou desportos que pratiquemos porque são os nossos abdominais e lombares que fazem a ligação entre a parte inferior e a parte superior do nosso corpo. Para além disso, trabalhar o nosso core vai moldar a nossa barriga para facilitar o aparecimento do tão desejado six pack. 

   Depois desta introdução já um pouco longa, vou então partilhar convosco mais uma sessão de treino que costumo fazer semanalmente com o objectivo de treinar abdominais e core. Aviso já que não tem muito movimento mas que é muito eficaz e desde que a incluí no meu programa de treino tenho notado resultados que nunca tive.


  • Pranchas: o exercício que vos vai fazer viver mais tempo não só pela saúde que vos traz mas principalmente porque faz o tempo andar muito devagar. Não requer nenhum equipamento em especial, apenas um cronómetro para ir controlando a evolução e puxar ao máximo. Basta colocarem-se em posição de prancha como se fossem fazer flexões mas em vez de ter as mãos no chão, apoiam-se nos cotovelos, que devem ficar na direcção dos ombros. Há medida que forem evoluindo e também para evitar que fiquem tanto tempo em posição de prancha, podem ir fazendo este exercício com os cotovelos mais à frente, na direcção da queixo, da boca, dos olhos e por aí fora. Ligam o cronometro mal se ponham em posição de prancha e podem ver o tempo quase a andar para trás (até chego a acreditar que às vezes acabo o treino ainda antes de o começar). Eu costumo fazer 6 séries com descanso de 1 minuto entre cada série mas é claro que vocês podem começar por fazer 2 ou 3 séries e depois ir aumentando. No final vão perceber que este exercício é muito relaxante e, no dia seguinte vão perceber que levantar da cama pode ser um desafio ainda maior do que o normal.    

  • Exercício com roda de abdominais (podem ver mais informações sobre este equipamento neste link): este exercício é feito com os joelhos apoiados no chão numa superfície que não seja muito dura para não magoar, colocam as mão em cada uma das pegas da roda e avançam o mais que puderem de forma lenta e controlada. Depois basta voltar à posição inicial sentindo todos os abdominais a trabalhar. Costumo fazer 5 séries do número máximo de repetições que conseguir fazer (normalmente entre 7 e 10) com descanso de 40 segundos entre cada série. Já sabem que para começar podem fazer menos séries, menos repetições e com um maior descanso entre cada série.  


    Como podem ver, trata-se de um treino muito básico que pode ser feito por qualquer pessoa e em qualquer lugar. Normalmente faço ainda um exercício adicional que escolho semanalmente entre outros que tenho para ir variando. Se quiserem mais informações deixem nos comentários que eu posso partilhar convosco. 

    Podem também enviar-me mensagem privada através da página do Facebook do Blog Rico em Proteína ou através do meu Instagram caso queiram que vos envie vídeos de exemplo antes de os disponibilizar aqui no blog. 

    E pronto, não se matem, tenham sempre cuidado e vão ao médico antes de começar a fazer qualquer tipo de exercício físico ou se precisarem por outro motivo qualquer. 

    Saudações proteicas!

     
    

     

   

Comentários

  1. Gostei muito do blog, vou compartilhar na academia, para servir de inspiração, para pessoas como eu que não gostam de abnominais kkkk

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo comentário Camila. Eu também não gosto dos abdominais tradicionais. Esta forma de treinar é muito mais desafiante e tem resultados muito melhores porque acaba por treinar todo o corpo. Espero que continue a acompanhar o Blog Rico em Proteína.

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Comprei uma SmartBand: prós e contras

Olá a todos,
    Durante os meus treinos de corrida já costumo utilizar uma aplicação de monitorização (Sports Tracker) que mede a distância por GPS, a velocidade média e instantânea e faz também uma estimativa da quantidade de calorias gastas entrando em linha de conta com o peso, idade e altura que definimos na aplicação. Para além disso, a aplicação também permite fazer a monitorização da frequência cardíaca desde que associada a uma banda cardíaca ligada ao Smartphone através de Bluetooth. 
   Por curiosidade e também para tentar fazer treinos mais produtivos pesquisei algumas alternativas para controlar a frequência cardíaca como relógios de desporto com e sem GPS integrado, bandas cardíacas Bluetooth para ligar ao Smartphone, Smart Watches e SmartBands tendo tirado as seguintes conclusões:
As bandas cardíacas com Bluetooth são o equipamento mais preciso para medir a frequência cardíaca durante o treino mas como têm que se colocar à volta do peito considero-as um pouco descon…

Um update da minha vida!

Olá família proteica!

Não fiquem assustados porque não é nenhuma alma penada que está a escrever este post. Embora não dê notícias há algum tempo, ainda não faleci e encontro-me de boa saúde.

É só pedir!
Para quem não sabe, regressei à minha terra natal (Mangualde) no final de 2017, após 11 anos a morar em Lisboa, onde me licenciei em Medicina Nuclear e trabalhei na área da Banca durante cerca de 5 anos.

Para quem tem curiosidade em perceber melhor esta mudança repentina basta ler o post no link.

Se mudar pequenas coisas já custa, mudar completamente de vida custa ainda mais, mesmo que seja para melhor.

Sempre tive o sonho que criar o meu próprio emprego e poder um dia dar emprego a outras pessoas mas era uma ideia que estava apenas na minha cabeça de forma muito pouco concreta.

Assim que regressei comecei a procurar emprego aqui na zona de Mangualde, Viseu e arredores sempre com a ideia de que não voltaria a trabalhar em algo que me fizesse mal como me fez trabalhar durante 5 anos em …

Era uma vez uma parceira de treino chamada gripe

Olá a todos,

Sei que já há algum tempo que não dou notícias nem aqui nem na página do facebook e só tenho dado sinal de vida no Instagram.
Para além disso era suposto este post ser a continuação da série "Treinar em casa" com vídeos incluídos, mas parece que desta vez não foi a gripe que apanhou Rafael Gomes mas sim o contrário. 
Estive uns dias com febre, tosse, mal-estar geral e como tenho alguns problemas respiratórios, embora já não tenha febre, continuo com uma tosse bastante irritativa. Moral da história: há uma semana que não treino...
Se há alguma vantagem em estar doente é que se acaba por perder algum peso porque embora no meu caso não tenha perdido o apetite, perdi completamente o paladar, o que me tem tirado completamente o prazer de comer
Relativamente ao treino, eu tenho por hábito fazer duas ou três pausas por ano de cerca de uma semana porque sinto que é importante para a minha evolução, principalmente porque me permite recuperar o Sistema Nervoso Central q…